Identificação do perfil nutricional e ocorrência de complicações gastrointestinais em pacientes hospitalizados submetidos à Terapia Nutricional Enteral

Rosequele Keila Américo Silva, Graciele Flaviana Da Rocha, Iury Antônio De Souza, Elisa Grossi Mendonça, Marcelo Santos De Oliveira, Gilce Andrezza De Freitas Folly

Resumo


A terapia nutricional enteral (TNE) é muito importante para a recuperação e manutenção do estado nutricional dos pacientes, sendo sugerida a sua introdução precoce em até 24 a 48 horas após a admissão hospitalar. Mas, sabe-se que podem ocorrer intolerâncias gástricas, como diarreia e vômito, que podem comprometer a administração da dieta enteral. Diante disso, o objetivo do estudo foi identificar e avaliar o perfil nutricional, TNE precoce e complicações frequentes nos pacientes internados em instituição de atendimento na cidade de Barbacena-MG. Trata-se de um estudo clínico retrospectivo com revisão de prontuários de atendimento nutricional realizados nos anos de 2012 a 2013, totalizando 310 protocolos de pacientes com idade igual ou superior a 18 anos e com suporte de TNE por pelo menos três dias. A análise estatística foi realizada no software PASW Statistics 17. Dentre os avaliados, 53,55% eram desnutridos moderados, 15,16% desnutridos graves, 71,61% atingiram as necessidades nutricionais em até sete dias de TNE e 63,87% receberam TNE em até 48 horas. Entre as complicações prevaleceu à estase gástrica em 23,10% dos pacientes. Com relação à evolução, 35,16% dos pacientes tiveram alta hospitalar com alimentação por via oral, 11,94% permaneceram em nutrição enteral e 52,90% foram a óbito. Foi observada maior prevalência de desnutrição moderada, início da TNE precoce e ocorrência de estase gástrica.


Palavras-chave


Terapia nutricional, nutrição enteral, desnutrição, trato gastrointestinal

Texto completo:

PDF

Referências


ARANJUES, A. L. et al. Monitoração da terapia nutricional enteral em UTI: indicador de qualidade? O mundo da saúde São Paulo, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 16-23, jan./mar. 2008.

ASSIS, M. C. S. et al. Nutrição Enteral: diferenças entre volume, calorias e proteínas prescritos e administrados em adultos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 346-350, nov. 2010.

BARBOSA, J. A. G.; FREITAS, M. I. F. Representações sociais sobre a alimentação por sondas obtidas de pacientes adultos hospitalizados. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p. 235-242, mar./abr. 2005.

BRITO, S.; DREYER, E. Terapia nutricional: condutas do nutricionista. Grupo de Apoio Nutricional - Hospital das clínicas/Unicamp, Campinas, dez, 2003. Disponível em: http://www.hc.unicamp.br/servicos/emtn/manual_nutricionista_2004-11-02.pdf . Acesso em: 16 out. 2014.

CARTOLANO, F. C.; CARUSO, L.; SORIANO, F. G. Terapia nutricional enteral: aplicação de indicadores de qualidade. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 376-383, out. 2009.

CASTRAO, D. L. L.; ZABAN, A. L. R. S; FREITAS, M. M. Terapia nutricional enteral e parenteral: complicações em pacientes críticos: uma revisão de literatura. Comunicação em Ciências da Saúde, Distrito Federal, v. 20, n. 1, p. 65-74, jan./mar. 2009.

DETSKY, A. S. et al. What is subjective global assessment of nutritional status? Journal of Parenteral and Enteral Nutrition, v. 11, n. 1, p. 8-13, jan./feb. 1987.

ELPERN, E. H. et al. Outcomes associated with enteral tube feedings in a medical intensive care unit. American Journal of Critical Care, v. 13, n. 3, p. 221-227, may. 2004.

FONTOURA, C. S. M. et al. Avaliação nutricional de paciente crítico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 298-360, jul./set. 2006.

GALLAGHER-ALLRED, G. et al. Malnutrition and clinical outcomes: the case for medical nutrition therapy. Journal of the American Dietetic Association, v. 96, n. 4, p. 361-369, apr. 1996.

ISIDORO, M. F.; LIMA, D. S. C. Adequação calórico-proteica da terapia nutricional enteral em pacientes cirúrgicos. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 58, n. 5, p. 580-586, set./out. 2009.

LEMOS, C. F. S.; ROCHA, R.; PAULA, C. A. R. Alterações gastrintestinais de pacientes críticos em uso de norepinefrina e terapia nutricional enteral. Revista Brasileira de Nutrição Clinica, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 34-40, jan./mar. 2008.

MIRANDA, S. B. N.; OLIVEIRA, M. R. M. Suporte nutricional precoce: avaliação de pacientes críticos internados em UTI. Revista Saúde, Piracicaba, v. 7, n. 16, p. 37-47, 2005.

MOSIER, M. J. et al. Early enteral nutrition in burns: compliance with guidelines and associated outcomes in a multicenter study. Journal of Burn Care & Research, v. 32, n. 1, p. 104-109, jan./feb. 2011.

NOZAKI, V. T.; PERALTA, M. R. Adequação nutricional na terapia nutricional enteral: comparação em dois hospitais. Revista de Nutrição, Campinas, v. 22, n. 3, p. 314-350, maio/jun. 2009.

O’LEARY-KELLEY, C. M. et al. Nutritional adequacy in patients receiving mechanical ventilation who are fed enterally. American Journal of Critical Care, v. 14, n. 3, p. 222-231, may. 2005.

OLIVEIRA FILHO, R.S. et al. Main Barriers in Control of Energy-Protein Deficit in Critical Oncologic Patient at Nutricional Risk. Journal of Integrative Oncology, v. 5, n. 1, p. 1-5, feb. 2016.

OLIVEIRA, S. M. et al. Complicações gastrointestinais e adequação calórico-proteica de pacientes em uso de nutrição enteral em uma unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 270-273, abr. 2010.

O'MEARA D et al. Evaluation of delivery of enteral nutrition in critically ill patients receiving mechanical ventilation. American Journal of Critical Care, v. 17, n.1, p. 53-61, jan. 2008.

PADILHA, P.C. et al. Terapia Nutricional Enteral no paciente crítico pediátrico: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 126-134, mar. 2011.

PASINATO, V. F. et al. Terapia nutricional enteral em pacientes sépticos na unidade de terapia intensiva: adequação às diretrizes nutricionais para pacientes críticos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 17-24, jan./mar. 2013.

PETROS, S.; ENGELMANN, L. Enteral nutrition delivery and energy expenditure in medical intensive care patients. Clinical Nutrition, v. 25, n. 1. P. 51-59, feb. 2006.

SACON, M. F. et al. O início precoce do suporte nutricional como fator prognóstico para pacientes com sepse grave e choque séptico. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 32, n. 2, p. 135-142, jul./dez. 2011.

SALOMÃO, A. B.; MOURA, R. R.; NASCIMENTO, J. E. A. Terapia nutricional precoce no trauma: após o A, B,C, D, E, a importância do F (FEED). Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Rio de Janeiro, v. 40, n. 4, p. 342-346, 2013.

SANTANA, M. M. A. et al. Inadequação calórica e proteica e fatores associados em pacientes graves. Revista de Nutrição, v. 29, n. 5, p. 645-654, set./out. 2016.

TEIXEIRA, A. C. C.; CARUSO, L.; SORIANO, F. G. Terapia Nutricional Enteral em Unidades de Terapia Intensiva: Infusão Versus Necessidades. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 331-337, out./dez. 2006.

WAITZBERG, D. L.; CAIAFFA, W. T.; CORREIA, M. I. T. D. Hospital malnutrition: the Brazilian national survey (IBRANUTRI): a study of 4000 patients. Nutrition, v. 17, n. 7-8, p. 573-580, jul./aug. 2001.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

HU Rev., Juiz de Fora, MG, Brasil. e-ISSN: 1982-8047 / p-ISSN: 0103-3123 

 

INDEXADORES:

      

 

   

 

  

 

 

 

 

 

 

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia