Taxa de cesariana nas primigestas atendidas numa maternidade pública com assistência humanizada no município de Juiz de Fora – MG

Vívian Campos Damasceno, Leonardo Pandolfi Caliman, Nathália Cristina Mezzonato Machado, Ana Beatriz Clemente Gonçalves, Leonardo César Mendes de Miranda

Resumo


Nos últimos tempos, o Brasil tem vivenciado uma mudança de paradigma na forma de nascer. A elevada taxa de cesarianas tem demonstrado a banalização desse procedimento. Na tentativa de mudar essa realidade, o Ministério da Saúde instituiu em todo o território brasileiro o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Com o objetivo de verificar a frequência de parto cesáreo e as principais indicações de parto operatório no momento da internação nas primigestas atendidas na Maternidade Viva Vida de Juiz de Fora – MG, foi realizado um estudo retrospectivo, baseado na análise do prontuário das primigestas internadas para parto na maternidade supracitada, durante o período de janeiro de 2013 a dezembro de 2014, obtendo um total de 811 primigestas. Foram investigados o perfil epidemiológico, risco pré-natal, motivo de internação, tipo de parto e as principais indicações de parto operatório no momento da internação. O parto cesáreo ocorreu em 40,0% das primigestas e os principais motivos que levaram à indicação de parto operatório no momento da internação foram as distócias (37,8%) e os distúrbios hipertensivos maternos (35,0%). O presente estudo concluiu que a taxa de cesariana encontrada foi semelhante à média da rede pública brasileira. Entretanto, cabe ressaltar que grande parte das indicações de parto operatório no momento da internação permeiam as indicações relativas e absolutas preconizadas pelo Ministério da Saúde.


Palavras-chave


Primigestas. Parto operatório. Parto vaginal. Humanização.

Texto completo:

PDF

Referências


ACCETTA, S.G. et al. Cesariana primária em nulíparas – fatores de risco em hospital público universitário. Revista HCPA, v. 33, n. 3, p. 198-204, set. 2013.

BARBOSA, G.P. et al Parto cesáreo: quem o deseja? Em quais circunstâncias? Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 6, p. 1611-162, nov./dez. 2003.

BUSANELLO, J.et al. Atenção humanizada ao parto de adolescentes: análise das práticas desenvolvidas em um centro obstétrico. Revista Brasileira de Enfermagem, v.64, n.5, p.824-32, set./out. 2011.

CAMPANA, H.C.R; PELLOSO, S.M. Levantamento dos partos cesáreos realizados em um hospital universitário. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.9, n.1, p.51-63, jan./abr. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 569, de 01 de junho de 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Assistência à Saúde, Coordenação Materno-Infantil. Programa Humanização do parto: humanização no pré-natal e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação Cesariana. Relatório de recomendação - Conitec. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Diretrizes Nacional de Assistência ao Parto Normal. Relatório de recomendação - Conitec. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

LINHARES, J.J. et al. Fatores associados à via de parto em mulheres com pré-eclâmpsia. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 36, n. 6, p. 259-263, mai. 2014.

MEDEIROS, R.M.K. et al. Cuidados humanizados: a inserção de enfermeiras obstétricas em um hospital de ensino. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 69, n. 6, p. 1091-1098, nov./dez. 2016.

MORAES, M.S; GOLDENBERG, P. Cesáreas: um perfil epidêmico. Cadernos de Saúde Pública, v. 17, n. 3, p. 509-519, mai./jun. 2001.

NAGAHAMA, E.E.I; SANTIAGO, S.M. Parto humanizado e tipo de parto: avaliação da assistência oferecida pelo Sistema Único de Sáude em uma cidade do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 11, n. 4, p. 415-425, out./dez. 2011.

NASSAR, A.H.et al. Severe reeclampsia remote from term: labor induction or elective cesarean delivery? American Journal of Obstetrics & Gynecology, v. 179, n. 5, p. 1210-1213, nov. 1998.

OLIVEIRA, D.R; CRUZ, M.K.P. Estudo das indicações de parto cesáreo em primigestas no município de Barbalha-Ceará. Revista Rene, v. 11, n. 3, p. 114-121. jul./set. 2010.

OLIVEIRA, R.R. et al. Factors associated to caesarean delivery in public and private health care systems. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 50, n. 5, p. 733-740, sept./oct. 2016.

PAIM, A.D.et al. Taxa de cesárea primária. Revista HCPA, v.28, n.3, p.136-41, nov. 2008.

PEREIRA, A.L.F.et al. Pesquisa acadêmica sobre humanização do parto no Brasil: tendências e contribuições. Acta Paulista de Enfermagem, v. 20, n. 2, p. 205-215, jun. 2007.

REIS, A.E; PATRÍCIO, Z.M. Aplicação das ações preconizadas pelo Ministério da Saúde para o parto humanizado em um hospital de Santa Catarina. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10 (sup), p. 221-230, mai. 2005.

SAKAE, T.M; FREITAS, P.F; D´ORSI,E. Fatores associados a taxas de cesárea em hospital universitário. Revista de Saúde Pública, v. 43, n. 3, p. 472-480, out. 2009.

SANCHES, N.C; MAMEDE, F.V; VIVANCOS, R.B.Z. Perfil das mulheres submetidas à cesariana e assistência obstétrica na maternidade pública em Ribeirão Preto. Texto Contexto Enfermagem, v. 21, n. 2, p. 418-426, abr./jun. 2012.

SILVA, F.M.B.et al. Centro de Parto Normal Como Estratégia de Incentivo ao Parto Normal: Estudo Descritivo. Enfermería Global, v.7, n. 14, p. 1-12, out. 2008.

SILVA, L.M; BARBIERII,M; FUSTINONI, S.M. Vivenciando a experiência da parturição em um modelo assistencial humanizado. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 64, n. 1, p. 60-5, jan./fev. 2011.

SOARES, Y.K.C et al. Satisfação das puérperas atendidas em um centro de parto normal. Revista de Enfermagem da UFPE, Recife, v. 11 (supl.11), p. 4563-4573, nov. 2017.

WEIDLE, W.G.et al. Escolha da via de parto pela mulher: autonomia ou indução? Cadernos Saúde Coletiva, v. 22, n. 1, p. 46-53, mar. 2014.

XENAKIS, E.M.et al. Preeclampsia: is induction of labor more successful? American Journal of Obstetrics & Gynecology, v. 89, n. 4, p. 600-603, apr. 1997.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

HU Rev., Juiz de Fora, MG, Brasil. e-ISSN: 1982-8047 / p-ISSN: 0103-3123 

 

INDEXADORES:

      

 

   

 

  

 

 

 

 

 

 

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia