UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Pé Diabético: onde podemos intervir?

Guilherme Henrique Werner Sathler Fraga, Lize Vargas Ferreira, Diego de Matos Silveira, Isabela Silva de Sousa, Mônica Barros Costa

Resumo


Trata-se de estudo descritivo, em coorte transversal incluindo 59 indivíduos com DM, que apresentavam pé diabético como complicação, atendidos no ambulatório de Pé Diabético do Centro Hiperdia, no município de Juiz de Fora – MG, no período de julho de 2013 a julho de 2014. Resultados: As condições predisponentes mais prevalentes foram HAS (96,6%), neuropatia (85,4%) e dislipidemia (69,5%). Foi observada ainda presença de sobrepeso/obesidade (28,8%/50,8%), tabagismo (42,4%), sedentarismo (28,8%) e mau controle glicêmico (HbA1c: 8,8% ±2,24 ). Em relação ao cuidado com os pés, 86,4% dos participantes se diziam conscientes. É fundamental a instituição da educação em diabetes em todos os níveis de cuidado, para que a prevenção se dê de forma realmente eficaz, visto que a maioria dos fatores de risco são modificáveis. A orientação desses pacientes sobre cuidado com os pés é um importante instrumento na redução do risco de ulceração e amputação em membros inferiores.


 


Palavras-chave


Diabetes mellitus. Pé diabético. Fatores de risco. Autocuidado.

Texto completo:

PDF

Referências


OLIVEIRA, J. E. P.; VENCIO, S. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2013-2014/Sociedade Brasileira de Diabetes ; São Paulo: AC Farmacêutica, 2014. Classificação etiológica do diabetes mellitus- p. 5-8.

PACE, A.E.; FOSS, M.C.; VIGO, K.O.; HAYASHIDA, M. Fatores de risco para complicações em extremidades inferiores de pessoas com Diabetes Mellitus. Rev. Bras. Enferm., v.55, n.5, p.514-521, 2002.

SANTOS, I. C. R. V. et al. Prevalência de pé diabético e fatores associados nas unidades de saúde da família da cidade do Recife, Pernambuco, Brasil, 2005. Cad. Saúde Pública vol.24 n.12, p.2861-2870, Rio de Janeiro, dez, 2008.

MICHELS, M.J. et al. Questionário de Atividades de Autocuidado com o Diabetes: tradução, adaptação e avaliaçãodas propriedades psicométricas. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 54 n. 7. p.644-51, 2010.

GROSS, J.L.; NEHME, M. Detecção e tratamento das complicações crônicas do diabetes melito: Consenso da Sociedade Brasileira de Diabetes e Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Ver. Ass Med Brasil, vol.45, n.3, p. 279-84, 1999.

DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRTAÉGICAS,SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE. Ministério da Saúde. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

CESCHINI, F.L.; ANDRADE, D.R.; OLIVEIRA, L.C.; ARAÚJO, J.J.F.; MATSUDO, V.K. Prevalence of physical inactivity and associated factors among high school students from state’s public schools. J Pediatr (Rio J). vol.85 n. 4 p.301-306, 2009.

MENESES-GAYA, I.C. et al. As propriedades psicométricas do Teste de Fagerström para Dependência de Nicotina. J Bras Pneumol. vol.35 n. 1, p. 73-82, 2009.

FILHO, G.J. P. et al. Emprego do Questionário CAGE para detecção de transtornos de uso de álcool em pronto-socorro. Rev. Ass. Med. Brasil vol.45 n.1, p. 65-69, 2011.

BRASILEIRO, J.L. et al. Pé diabético: aspectos clínicos. Jornal vascular brasileiro vol.4 n.1, p.11-21, 2005.

NUNES, M.A.P. et al. Fatores predisponentes para amputação de membro inferior em pacientes diabéticos internados com pés ulcerados no estado de Sergipe. J Vasc Bras, vol.5 n.2, p. 123-30, 2006.

CUNHA-FILHO, I.T. et al. Correlação entre o índice tornozelo-braço antes e após teste de deslocamento bidirecional progressivo. J. vasc. bras., vol.6 n.4, p.332-38, 2007.

MAKDISSE, M. et al. Escore para rastrear idosos (>75 anos) de alto risco para doença arterial periférica. Arq Bras Cardiol, vol.88 n.6, p.630-36, 2007.

ROCHA, R.M.; ZANETTI, M.L.; SANTOS, M.A. Comportamento e conhecimento: fundamentos para prevenção do pé diabético. Acta Paul Enferm 2009; 22(1):17-23.

BORTOLETTO, M.S.S.; HADDAD, M.C.L.; KARINO, M.E. Pé diabético, uma avaliação sistematizada. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v. 13, n. 1, p. 37-43 jan./abr. 2009.

SBEM , Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Obesidade, 2014. Disponível em http://www.endocrino.org.br/obesidade/.

NORGREN, L.; HIATT, W.R.; DORMANDY J.A.; NEHLER M.R.; HARRIS K.A.; FOWKES, F.G.R. Inter-society consensus for the management of peripheral arterial disease (TASC II). J Vasc Bras.2007; 63 (Suppl 2):S194-s259.

MARTIN, I.S., BERALDO, A.A.;, PASSERI, S.M.; FREITAS M.C.F.; PACE, A.E. Causas referidas para o desenvolvimento de úlceras em pés de pessoas com diabetes mellitus. Acta Paul Enferm. 2012;25(2):218-24.

PEDROSA, H.C.; ANDRADE, A. Consenso Internacional sobre Pé Diabético. Grupo de Trabalho Internacional sobre Pé Diabético. Versão Brasileira; 2001, SES-DF e Ministério da Saúde; versão 2003, 2007, 2009, 2011: disponível em www.idf.irg/bookshop.

ABBOT, C.A.; CARRINGTON, A.L.; ASHE, H. et al. The north-west diabetes foot care study: incidence of, and risk factors for, new diabetic foot ulceration in a community based patient cohort. Diabet Med. 2002; 20:377-84.

BOULTON, A.J.M. The diabetic foot: from art to science. The 18th Camillo Gol-gi Lecture. Diabetologia. 2004; 47: 1343-53.

CUBAS, M.R. et. al. Pé diabético: orientações e conhecimento sobre cuidados preventivos. Fisioter Mov. 2013 jul/set;26(3): 647-55.

INTERNACIONAL WORKING GROUP ON THE DIABETIC FOOT. Proceedings of the Internacional Working Group on the Diabetic Foot Meeting, Noordwijkerhout, the Netherlands, 1999-2003-2007-2011.


Universidade Federal de Juiz de Fora